Vocação

Família, Dom de Deus

Compartilhar

Neste mês que celebramos na Igreja de Brasil o mês vocacional, somos convidadas/os a olhar de maneira especial para as diversas vocações como dom gratuito de Deus. A segunda semana de agosto é dedicada a vocação Familiar e inicia com o dia dos pais. A família é o berço onde nasce, cresce e se fortalece todas as outras vocações específicas.

“E Jesus se desenvolvia em sabedoria, estatura e graça na presença de Deus e de todas as pessoas”. LC 2,40

A família é um grande projeto de Deus, é indicada como sociedade natural e fundamental para formação de um indivíduo, pois é no ambiente familiar que as pessoas crescem e desenvolvem suas emoções, personalidades, moral, potencialidades, empatia etc.

Atualmente, observa-se que a família encontra-se em constante processo de construção social, não sendo um fenômeno simples e natural, mas se expressa de diversas formas e finalidades conforme o tempo histórico. Entende-se família como uma entidade socioafetiva que dispõe a responsabilidade de prover afeto e também proteção aos seus membros e proporcionar desenvolvimento saudável a pessoa humana, posto que o Estado atua minimamente frente às demandas da sociedade e outorga para as famílias a responsabilidade absoluta de proteção.

Mioto (2008) define família como:                                             

“Um espaço altamente complexo, que se constrói e se reconstrói histórica e cotidianamente por meio das relações e negociações que estabelecem entre seus membros, entre seus membros e outras esferas da sociedade e entre ela e outras esferas da sociedade, tais como Estado, trabalho e mercado. Reconhece-se que, além de sua capacidade de produção de subjetividade, ela também é uma unidade de cuidado e de redistribuição interna de recursos. Tem um papel importante na estruturação da sociedade em seus aspectos sociais, políticos e econômicos e, portanto, não é apenas uma construção privada, mas também pública”. (MIOTO, 2008)

A família incumbe-se de três importantes princípios para criação de uma criança: vida cotidiana que se refere às dinâmicas da vida diária; relacionamento emocional, onde se desenvolve a personalidade com o processo de socialização e relação estabelecida entre família e sociedade.

Na atualidade a integridade moral apresenta-se em diversas formas e dimensões. Na criação de filhos transmitimos valores que nossos pais nos ensinaram e os que construímos ao longo de nossas vidas, portanto os Pais são ministros do coração, alma e mentes de seus filhos.

A educação com princípios em Deus Nosso Pai, não se deve somente suceder no ensino dentro de virtudes e ensinamentos bíblicos que demonstrem a vontade e o caráter de Deus, mas também precisa comunicar o Seu amor e Sua graça. Importante aprendermos a maneira de Deus e instruir nossos filhos de acordo com ela, a fim que suas as vidas sejam influenciadas pelos preceitos de Jesus Cristo e que profiram Seu amor. À medida que os filhos são instruídos a desenvolver virtudes bíblicas, eles são conduzidos para uma vida pacífica, honesta e repleta de atos de justiça, uma vez que ensinamento bíblico gera frutos de paz e justiça.

“Pais, não irritem seus filhos; antes criem-nos segundo a instrução e o conselho do Senhor” Efésios 6,4

 É no seio familiar que aprendemos a amar e ser amado, aprendemos a dividir, respeitar, socializar e consequentemente, ser uma pessoa com valores. Sendo a família um dom de Deus e tendo como missão e responsabilidade de criar e moldar os filhos que serão inseridos na sociedade, em razão disso nos perguntamos como estão sendo moldadas nossa crianças nós dias atuais? E qual participação do Estado neste contexto?

Assim como família a Rede Oblata também tem como missão: construção de uma sociedade mais justa e com equidade de gênero. Inspiradas na espiritualidade cristã libertadora, lutando contra a violação dos direitos humanos das mulheres em contexto de prostituição. Realizando a missão por meio de  um olhar humanizado, pautadas na pedagogia e mística Oblata, atuando na defesa e garantia de direitos, estimulando a construção da cidadania integral das mulheres que exercem a prostituição e sensibilizando a sociedade para essa causa.

Texto: Keila Cristina

– CHANAN, Guilherme Giacomelli. As entidades familiares na constituição federal. Revista Brasileira de Direito de Família, Porto Alegre, n. 42, ano VIII, jun/jul 2007.

– MIOTO, R. Família e políticas sociais. In: BOSCHETTI, I et al (orgs). Política social no capitalismo ­tendências contemporâneas. São Paulo, Cortez, 2008.

EZZO, Anne marie e Gary. Educação de filhos à maneira de Deus. Universidade da família. São Paulo, Pompeia, 2015 

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *